16:24
Director: Isabel Miliciano (isabelmiliciano@gmail.com)
PÁGINA INICIAL
 
ÚLTIMA HORA
 
EDIÇÃO
 
DOSSIERS
 
VÍDEOS
 
ROTEIRO
 
LOJA
     
PESQUISA DE NOTÍCIAS: [ OK ]   
  » EDIÇÃO IMPRESSA Adicionar imagem Edição Nº 1128 em PDF Download aqui (8,7 MB)    
  » Edição nº1128 de 05/08/2010. Director: José Gaio Martins Dias
(Opinião, por Manuel Traquina)
A propósito do estado social
(© Jornal O Templário)

Dizer-se que somos um Estado Social é afirmar uma utopia.

Subitamente, Portugal ficou em estado de excitação: analistas, comentaristas, e os políticos do costume, desataram a barafustar, usando léxicos que, se nos apanhassem desprevenidos, podiam induzir-nos o receio de que, a mais que provável, hecatombe de 2012, começaria por estas bandas. Ouve-se falar de assassínio, de atentado, de ameaças, de regresso do fascismo, enfim, prenúncios de grandes desgraças, coisas que, aliás, nos têm passado ao lado, desde as glórias e benesses de um certo Abril.
Um projecto ou proposta, ou o que quer que seja, de alteração da Lei Fundamental, que alguns dizem caduca e ultrapassada, está na origem deste nervosismo histérico, cujos efeitos mais visíveis, alem de gerar uns quantos insultos políticos, foi tirar o povo do marasmo em que o calor estava a pô-lo, perturbar as férias, aos poucos que ainda as podem ter e gerar mais uma trapalhada a acrescer às muitas em que este País é pródigo.
Parece ser propósito do dito projecto, entre outras malfeitorias, algo de tenebroso: nada menos que matar o estado social. Em boa verdade, para matar alguma coisa, é preciso que essa coisa esteja viva. Prenuncia-se, por isso, um crime agravado, porque a vítima, tudo leva a crer, se encontra já moribunda, portanto, com as resistências diminuídas.
Dizer-se que somos um Estado Social é afirmar uma utopia. Defendê-lo tão ciosamente, como o fazem os seus criadores, é ofender muitos desditosos que têm o azar de viver nele.
Este Estado Social, que alguém ameaça matar, é o mesmo que tem vindo a criar desempregados em catadupa: vai já nos seiscentos mil, que representam dois milhões de desamparados, contabilizando o núcleo familiar; é o mesmo que proclama a qualificação e competitividade, quando, sustenta um sistema de ensino irresponsável, produtor de “qualificados” desempregados e emigrantes; que apela à esperança, à luta, ao ânimo, e retira às populações o básico do seu bem-estar e da sua qualidade de vida e cuja segurança física nem consegue assegurar; que faz apelos à poupança, ao mesmo tempo que reduz salários, que, ainda assim, são abocanhados por uma fiscalidade impiedosa; que desvia recursos para subsidiar marginais e madraços.
O Estado Social, supostamente na mira da anunciada conspiração, não deve sentir-se muito orgulhoso deste catálogo. Nem sei se merece que alguém o defenda.
Vem de um histórico de muitas incompetências, de gastos desmesuradamente obscenos, de um novo-riquismo inconsciente que delapida recursos que não tem, de uma justiça social utópica. Vem da incapacidade de estimular o tecido produtivo e de uma política suicida que promove o abandono da terra. Vem do encerramento de factores de fixação das pessoas ao interior, escolas, maternidades e centros de saúde.
O que resta do Estado Social, subsiste à conta de quê? Da tradicional albarda.
A albarda dos últimos anos da monarquia, a do Bordallo, é a mesma da República, a mesma do Antigo Regime e a mesma da Via para o socialismo. Presentemente, é a crise que se senta nela. Em Portugal há sempre uma crise providencial; se não nasce cá, importa-se. E não apenas para servir de bode expiatório; é uma necessidade, um estado de alma. Nisto somos muito tradicionalistas. Não muda a albarda nem o burro que a suporta.
mstraquina@gmail.com

 


 » ÚLTIMAS NOTÍCIAS DESTE AUTOR
[Edição nº1221]  » Opinião » Um de maio
[Edição nº1213]  » Opinião » A salvação
[Edição nº1211]  » Opinião » Operação suicídio
[Edição nº1191]  » Opinião » A propósito de livros
[Edição nº1186]  » Opinião » A propósito de fantasmas
[Edição nº1184]  » Opinião » A propósito de um drama
[Edição nº1182]  » Opinião » A propósito de vândalos
[Edição nº1176]  » Opinião » A propósito da festa
[Edição nº1173]  » Opinião » A propósito do ovo da serpente
[Edição nº1168]  » Opinião » A propósito da nossa condição
[Edição nº1155]  » Opinião » A propósito de John Constable
[Edição nº1153]  » Opinião » A propósito de algemas
[Edição nº1152]  » Opinião » A propósito de eleições
[Edição nº1150]  » Opinião » A propósito de ficções
[Edição nº1145]  » Opinião » A propósito do Zé e do seu destino
[Edição nº1135]  » Opinião » A propósito de justiça
[Edição nº1130]  » Opinião » A propósito de uma tragédia
[Edição nº1129]  » Opinião » A propósito de retórica
[Edição nº1128]  » Opinião » A propósito do estado social
[Edição nº1126]  » Opinião » A propósito de uma morte
[Edição nº1120]  » Opinião » A propósito de ensino
[Edição nº1118]  » Opinião » A propósito de hipócritas
[Edição nº1112]  » Opinião » A PROPÓSITO DE IMUNDÍCIES
[Edição nº1111]  » Opinião » A propósito do inverno em Londres
[Edição nº1105]  » Opinião » A propósito de loucuras

 » OUTRAS NOTÍCIAS EM DESTAQUE NA EDIÇÃO
 Economia » Água mais cara no concelho de Tomar
 Política » Obras no Flecheiro aprovadas só pelo PSD
 Sociedade » Regras militares para bombeiros de Tomar
 Sociedade » Acidente aparatoso provoca um ferido
 Sociedade » Um caso de miséria extrema
 Política » IGAL inspecciona Câmara de Tomar
 Economia » Mais de um milhão pela Estalagem Vale Manso
 Sociedade » Técnica de segurança da Câmara não sabia da obra
 Opinião » Querido pastel de nata
 Economia » Restaurante Condestável com nova gerência
 Sociedade » Idosos do lar de S. José foram passear
 Sociedade » Moradores do largo do Pelourinho fartos de pó e buracos
 Pelourinho » Mais difícil ainda…
 Opinião » A Vingança do perdão
 Cultura » “Isto é a minha vida”
 Sociedade » Ele testemunhou como surgiu o nome “Castelo do Bode”
 Desporto » U. Tomar regressa ao trabalho
 Desporto » Eduardo Fortes: “Vai ser um desafio aliciante”
 Desporto » Riachense aponta à manutenção
 Desporto » Já se trabalha em Torres Novas
 Opinião » A propósito do estado social
 
EDIÇÃO IMPRESSA
1128 de 05/08/2010
PUB  
  » SECÇÕES DA EDIÇÃO
 » ACTUALIDADE
 » CLASSIFICADOS
 » CULTURA
 » DESPORTO
 » ECONOMIA
 » OPINIÃO
 » PELOURINHO
 » POLÍTICA
 » REGIÃO
 » SOCIEDADE
Consulte aqui o arquivo das Edições anterioes...

 

 
  ÁREA RESERVADA A ASSINANTES:
Login:  Palavra-passe:  [ OK ]   
[Recuperar palavra-passe]  Não é assinante? Registe-se.  
  » LIGUE-SE A'O TEMPLÁRIO
Facebook Twitter Blogspot hi5
PUB  
PUB  
PUB  
PUB  
  » ROTEIRO. PRÓXIMOS EVENTOS
[+]  
(Sociedade)
4º Festival Gastronómico da Abóbora
 
Data: De 11/01/2014 a 30/11/2014
   Publicidade | AssinaturasContactos | Estatuto Editorial | Ficha Técnica   (56 leitores online)  
   Os ítemssão conteúdos de acesso reservado a assinantes. Faça já a sua assinatura e aceda a todos os serviços e conteúdos exclusivos.
  © Copyright 2014 O Templário - Sociedade Editora de Publicações, Lda. • Rua José Raimundo Ribeiro, 28 . 2300-505 TOMAR • geral@otemplario.pt • Todos os direitos reservados.